Beatriz Sarlo: sucesso da América Latina depende do Brasil

Postado por 11 Letras em 22/jul/2015 - Sem Comentários

O Brasil é uma potência mundial e os países vizinhos torcem para o seu sucesso, pois dependem dele para também se desenvolver, disse a escritora argentina Beatriz Sarlo, uma das principais atrações da 13ª Festa Literária Internacional de Paraty (Flip).

Ela comparou as viagens que o escritor Mário de Andrade, o homenageado deste ano na Flip, fez no fim da década de 1920, relatadas em O Turista Aprendiz, e suas próprias viagens pela América Latina, na década de 1960, registradas no livro Viagens: da Amazônia às Malvinas, Beatriz diz que, ao contrário do modernista, que era um etnógrafo e buscou retratar as manifestações culturais regionais, ela própria “era totalmente ignorante”.

“Foi uma viagem de aprendizagem. Aprendi enquanto trabalhava, eu não sabia nada de nada, imaginava que havia uma revolução na América Latina e que seríamos um povo unido e revolucionário”, disse.

De acordo com ela, a revolução que se imaginava na época em que o continente estava tomado por ditaduras militares não ocorreu. Porém, muita coisa mudou e fez com que a América Latina se tornasse um continente viável atualmente.

“Seja lá o que se pensa sobre a revolução que teve com o Evo Morales na Bolívia, a que começa com o período do Fernando Henrique no Brasil e continua ainda”, ela acha que a evolução do continente ocorre com uma grande potência no meio, que é o Brasil, e “todos rezam para que seja um país bem-sucedido, porque todos serão bem-sucedidos” junto com ele.

Beatriz ressaltou que o Brasil é muito grande, é o primo rico do continente e se estabelece como potência mundial, apesar dos problemas. “Aqui há muita corrupção, mas no meu país também tem e não há ninguém preso por isso. Na Argentina, jamais um ‘mão direita’ do presidente vai para a cadeia. Houve mudanças muito importantes”, salientou.

Sobre literatura, Beatriz Sarlo afirmou que a crítica literária perdeu importância, que atualmente “não ajuda mais a vender livros”. Acrescentou que dificilmente a atual geração deixe algum clássico, tanto na literatura quanto na música.

“Para os jovens que estão entrando na escola hoje em dia, os clássicos são a cultura do passado, a ideia do que é clássico está em crise. Para os que são 15 anos mais jovens do que os que estão aqui, acho que nem temos clássicos da música pop. Na minha época, era muito claro que o clássico eram os Beatles”, destacou.

Beatriz Sarlo participou da abertura da Flip na quarta-feira (1º), quando apresentou uma perspectiva das vanguardas latino-americanas das décadas de 1920 e 1930. (Agência Brasil)

Legenda da foto:
A professora Beatriz Sarlo na sessão de abertura da Flip 2015 (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>